14/08/2017 às 23h17min - Atualizada em 14/08/2017 às 23h17min

Decisão de bancos de cobrar até por boletos que não forem pagos gera controvérsia

Brasil
Foto Reprodução

O Conselho Federal de Administração (CFA) realiza, no próximo dia 23 de agosto, uma manifestação em Brasília para protestar contra uma nova medida anunciada pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban): o fim dos boletos sem registros. Se for efetivada, os bancos poderão, além de cobrar pela emissão do boleto, a partir de outubro, exigir também o pagamento de taxas de alteração e cancelamento dele.

Na prática, a mudança vai impactar diretamente as empresas, já que elas serão taxadas mesmo que o cliente emita o boleto e não pague, por exemplo. Com isso, a tendência é que o prejuízo seja repassado diretamente para o consumidor, que sentirá o impacto em várias áreas do cotidiano, alerta o presidente da CFA, Wagner Siqueira.
 

“Imagine a pessoa que tem filhos matriculados no colégio, por exemplo. A escola vai ter que pagar esse valor independente de ela pagar ou não. É claro que vai repassar o custo para os pais”, aponta ele. É o caso, por exemplo, de condomínios: se hoje, os custos da inadimplência de alguns moradores já é dividido entre os demais, a conta deve ficar ainda mais cara no fim do mês.

Oficialmente, a justificativa para a nova cobrança é evitar fraudes. Para ele, a alegação é razoável, mas desconsidera que, hoje, grande parte dos boletos não é pago. “Com a desculpa de segurança, eles estão aumentando mais uma cobrança. A verdade é que a mudança apenas onera as organizações e a sociedade, sem qualquer contrapartida da rede bancária que, diga-se de passagem, bate recordes de arrecadação ano após ano.”

Com o protesto, a CFA quer sensibilizar a população e cobrar atitudes do poder público. “É inacreditável como as autoridades econômicas, do próprio Banco Central, permitem esse absurdo. Cadê as entidades de defesa do consumidor, o Ministério Público? Fico perplexo”, cobrou ele.

“O que é pior, é que o aumento é totalmente injusto, porque atinge tanto pobres quanto ricos, ou seja, toda a população que paga boletos; e não foi feito pelo sistema tributário, pelo poder público. É uma instituição particular ultrapassando suas competências com o silêncio cúmplice do governo”, declarou. “O governo fica falando que vai cobrar a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), mas na prática, essa é uma medida semelhante.”


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Contato pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco.